Eu Sou

A minha foto
Telemóveis - 911 977 487 mariaraqueltavares@gmail.com

Atitude !


Ontem uma amiga, telefonou-me, confusa e desconfortável com a relação que vive e disse-me: ".... é verdade que iniciei esta relação sem estar apaixonada, apenas porque ele tem qualidades que são muito importantes, para mim num homem. É carinhoso, atento, presente ......" e continuou a enumerar umas quantas coisas.


A determinada altura perguntei: "Onde está o Amor?... Base e essência numa relação a dois?"

Ao qual ela respondeu: "O Amor, bem o amor constroi-se."

NÃO!
O Amor É. 
O Amor É tudo o que existe e nos rodeia e está em nós é a nossa essência. Todos estamos aqui, neste Planeta, pelo Infinito Amor de Deus pela Humanidade.

As relações constroiem-se, vivem-se. 

O Amor sente-se, doa-se. É uma partilha incondicional.

Nem sempre pensei desta forma, no entanto, na minha caminhada pela vida, aprendi que Tudo o que me rodeia é Amor Puro. Não consigo ver ou falar do Amor de outra forma.

Algumas pessoas, ainda não conseguem perceber e viver este Amor, mas acredito que caminhamos para uma NOVA TERRA, onde não precisamos (dependência) de dar e receber Amor, uma vez que Nós, simplesmente somos Amor
Amor, é o nosso estado natural de Ser.

Nesta nova consciência, levamos Amor a tudo o que fazemos. Onde quer que estejamos, emanamos Amor do nosso coração.

Também sinto que não gostaremos de todos, nem de tudo, e que não precisamos de tolerar aquilo de que não gostamos. Isso não diminui o nosso amor. A atitude é que passa a ser outra, assumindo que não queremos estar ali ou ficar com uma pessoa, exactamente porque em Amor e por Amor isso não é o melhor.

No caminho do Amor comunicamos com humildade, verdade, honestidade e alegria.

Podemos concordar ou não, aceitar ou não, apoiar ou não, uma vez que qualquer acção e consequente reacção é a adequada. Mesmo que no momento não nos compreendam, acredito que mais tarde irão finalmente, entender a nossa atitude.

O caminho do amor é Alegria. Mesmo que por momentos nos seja dificil mantermo-nos no caminho do Amor, porque alguém ou algo nos dificulta, esse estado. 

Parem. Sintam. Sorriam. Preencham o sorriso com amor, sintam-no no coração e fiquem, até conseguirem novamente continuar no Caminho.

É errado pensar que tudo à nossa volta é harmonia, porque escolhemos trilhar o caminho do amor. Há maldade e mentira, por enquanto, a habitar ao nosso lado. Encontramos obstáculos e temos preocupações.


Mas, quando escolho o Amor como modo de vida, simplesmente porque é o único caminho onde me sinto feliz, confortável e alegre, a ressonância desse Amor Puro e Verdadeiro do Coração, vem até mim e torna-se cada vez mais forte.

Acredito que é este Amor que vai ligar as pessoas, na Unidade e na Verdade. 

Amo-vos a todos, na Luz e no Amor da Fonte Criadora -Pai/Mãe - Deus/Deusa

Eu Sou Maria Raquel

Filosofia de vida

Sou uma estudiosa de Kabbalah, se bem que o faço sozinha, adquirindo livros, pesquisando na net, enfim, tudo o que posso para saber cada vez mais. Acredito e pratico os ensinamentos da Kabbalah na minha vida.

Os Grandes Mestres da Kabbalah dizem que, graças a ela, o homem pode colaborar com a Divindade na (permanente) criação do mundo.
Definir Kabbalah não é fácil. Kabbalah é um sistema filosófico que reinvindica o discernimento da natureza divina.
Kabbalah é uma palavra hebraica que significa receber. Esta sabedoria tem sido transmitida ao longo dos anos. Segundo os kabbalistas, Jesus era o Messias da sua geração, conhecido como o Meshiah, filho de José. Há ensinamentos secretos de Jesus dados somente aos seus discipulos mais próximos (Envangelho de S. Tomás) onde Ele ensina que a Luz é a origem de toda a Humanidade e que cada pessoa é um "filho da Luz", uma centelha do Divino.
Durante séculos a Kabbalah foi abolida por aqueles que não a compreendiam.

A Árvore da Vida, está dividida em três níveis básicos da alma, ou melhor dizendo três níveis de funcionamento psíquico. Sendo a tríade superior associada às faculdades mentais; a tríade do meio, às faculdades emocionais; e a tríade mais baixa às faculdades sensuais.

Cada tríade também apresenta uma oposição de qualidades que surgem harmoniosamente equilibradas pelos componentes do meio, de cada uma delas. A coluna da direita representa a tolerância, a bondade, a graça ou seja a mais expansiva espiritualmente, um pólo mais misericordioso. A coluna da esquerda representa o rigor da lei, do sacrificio, ou seja a mais egóica, um pólo de julgamento.

À luz destes ensinamentos criei uma forma de abrir o tarot, que me orienta e ajuda a identificar, quais as situações, cármicas e actuais, que devem ser analisadas e trabalhadas em cada pessoa que me procura.

Estou grata à minha Alma, por me mostrar esta sabedoria.

Reflexão

“… Um homem aproxima-se de um mestre e pergunta-lhe:
- Há realmente um inferno e um paraíso ?
- Quem é você ? –indaga o mestre.
- Um Samurai!
- … um soldado ?! Quem poderia quere-lo ?... mais parece um copeiro!
Fora de si, o Samurai retira o sabre da cintura.
- Ah, você tem um sabre ?! – escarnece o mestre – De que lhe adianta?... O seu braço é muito fraco.

O guerreiro, irado, ergue o sabre na direcção do sábio, que lhe diz:
- Aqui abrem-se as portas do inferno.

O Samurai coloca novamente o sabre na cintura e curva-se perante o mestre, que lhe diz:
- Aqui abrem-se as portas do paraíso.”

Recebi esta história por e-mail e resolvi transcrevê-la, uma vez que é muito simbólica e ajuda-nos a compreender melhor o que é o carma.

Ele é visto através dos eixos de dois signos opostos, mostrando assim a lei da causa e efeito.
É nitidamente de onde vimos, a forma como nos comportamos, o passado versus para onde vamos, o que fazemos, o presente.

É aqui e agora, neste presente, que construímos a nossa vida real e que podemos realizar tudo, porque SOMOS.
Do passado só ficaram as experiências vividas que nos ajudam e não são mais do que oportunidades para a nossa evolução e consequente fusão com a nossa Essência Original – Deus.

Como é do conhecimento geral os signos são constelações de estrelas de luz, de brilho - o 1º portal de entrada na terra. A energia impulsionadora.
Tudo nos conduz porque tudo é simultâneo. O Universo é matematicamente perfeito.


Os Portais Estelares, ao qual damos o nome de signos são 12, baseados em quatro elementos fundamentais, que orientam a nossa personalidade e temperamento:

Energia de combustão – de impulso, acção, transmutação - Fogo
Energia sólida - de construção, fecundação, estabilidade - Terra
Energia gasosa – de pensamento, comunicação, inteligência - Ar
Energia liquida – de sentimento, emoção, nutrição - Água



Enquanto que a energia dos signos mostram as características da nossa personalidade, as energias planetárias indicam o nosso comportamento, e, assim analiso cada um deles no sentido de oportunidade.

Então ao estudar um mapa natal olho atentamente para esta dança rítmica que todos fazem entre si e….
direcciono a consulta para uma ajuda dinâmica, mostrando a cada um as ferramentas poderosas que possuímos para a nossa evolução.

Não vou hoje falar de nenhum em particular, mas abro uma ponta da cortina… eheh
em Júpiter procuro o meio através do qual as pessoas podem crescer, ampliar e multiplicar os seus dons;
já Saturno mostra-me a enorme oportunidade que a vida nos dá para evoluir.
Disse-me um dia um mestre que: “Saturno é o planeta que nos ensina (tal como a parábola) a pescar…”
Então meus amigos, de que estão à espera?!.

Quando falo de carma, vejo-o através da polaridade dos signos, uma vez que “os nós” na nossa vida são-nos mostrados pelo eixo do signo e o seu oposto. É aqui que me deparo com as intercepções e também com os Nódulos lunares.
Mas não vejo, nem sinto o carma como culpa, cruz, peso, pena ou medo, essa é por vezes a desculpa que usamos. É a conclusão do passado, vivido no presente, para proteger o futuro. Carma é o princípio da responsabilidade, da aprendizagem, da sabedoria. É o compromisso, a doação, a compaixão.
Carma não é matéria – é a pura energia ao serviço da Luz.

31 de Outubro

... é uma data importante. 
Ela já era celebrada antes mesmo da era cristã, especialmente na Europa, pelas tribos celtas. A festa teria sua origem num ritual às forças da natureza, chamado Samhain (samh: verão, fuin: fim), a comemoração do ano novo celta, o começo do inverno no hemisfério norte. Essa data gelada era representada pela volta dos mortos as suas casas em busca de conforto, proteção, das guloseimas difíceis de desapegar desde o desencarne e o calorzinho da fogueira familiar. 
As partes matavam as saudades e trocavam as últimas notícias do além e da Terra. Uma noite em que a fronteira entre o mundo dos mortos e dos vivos se dissolvida em meio a uma noite escura, muito longa e de nevoeiros intermináveis.
Para os sacerdotes druidas, da religião celta, o céu em que moravam os mortos era um lugar de paz e felicidade, sem fome ou miséria. 

Uma ideia que pode ter inspirado os cristãos muitos séculos depois na construção do seu mundo celestial. Por volta do ano 600 a.c. os escoceses teriam se apropriado da mesma data para celebrar o Halloween

A palavra originalmente viria da expressão Hallow Evening ou Hello Evening (olá, bem vinda noite) uma referência à noite dos mortos, dos sacerdotes e portanto das bruxas, as sacerdotisas. Os romanos por sua vez, que se apropriaram do conhecimento e dos rituais gregos antigos, também celebravam seus deuses perto desta data. 

 Panteão romano


Panteão, edifício que pode ser visitado até os dias de hoje, que abrigava e saudava a todos os deuses foi transformado pelos católicos no século IV no templo de "Todos os Santos", uma outra apropriação da mitologia antiga. 
Assim, as datas de hoje, o  Halloweenque antecede o Dia de Todos os Santos, dia 1° de Novembro, e em seguida o Dia de Finados ou o Dia de los Muertos conhecido no México, dia 2 de Novembro, são variações da mesma festividade de origem pagã. 
Com as ondas migratórias para o novo mundo, nos Estados Unidos muitas culturas se mesclaram e reinventaram a festividade que até hoje é comemorada por lá, actualmente celebrada de forma desapegada de seu significado original. 

Os disfarces de monstros, fantasmas e abóboras provavelmente tem sua origem entre os séculos XIV e XV, durante a Peste Negra que dizimou um terço da Europa, criando nos católicos um pavor pela morte. 
Como as missas se proliferaram por todo o continente nasceram muitas representações que pudessem exorcizar "o mal". 

Na astrologia os meses de Outubro e Novembro são "abençoados" por Plutão, Deus da morte e dos submundos, regente do signo de Escorpião.
Todo o nativo de Escorpião que se preze sabe bem do poder e da responsabilidade de nascer nesta data.
Muitos tem um forte chamado para os assuntos de morte, são variadas as experiências de fim de ciclo e reinvenções de si mesmos. 
Muitos se quiserem podem se tornar sacerdotes, astrólogos, terapeutas ou psicólogos, os xamãs da pós modernidade. 

Eu tenho Plutão no meio do céu. Na minha profissão sou um canal entre os mundos, celebrando a astrologia como ferramenta de transformação. 
Com o ascendente Escorpião sinto que por vezes sou uma pessoa misteriosa, que os outros têm dificuldade em compreender. Vivo a vida de forma intensa. O amor pelo meu filho é uma das coisas mais importantes, embora possa não o demonstrar. Gosto de analisar exaustivamente as coisas e mostrar as minhas capacidades intuitivas. 
A minha Lua em Escorpião, oferece-me a capacidade de descobrir as fraquezas e fortalezas dos outros mesmo antes de soltarem a primeira palavra no consultório. 

No dia de Halloween festejo quem foi e quem fica, porque assim são os ciclos da vida.